PIX: tudo que você precisa saber sobre o novo sistema de pagamentos do Banco Central

Os brasileiros começam a ter acesso ao Pix, um novo serviço de pagamentos e transferências digitais do Banco Central (BC). Cujo o diferencial do produto é a sua gratuidade para pessoas físicas e a disponibilidade 24 horas por dia, durante os sete dias da semana, incluindo feriados para transações instantâneas.

Sim, o dinheiro cai na hora, independente do banco de origem/destino, sem taxas!

Segundo o Banco Central foram cadastradas 68 milhões de chaves Pix, mas apesar da grande adesão, a funcionalidade ainda gera muita desconfiança na população. Por isto, separamos algumas perguntas frequentes sobre o Pix.

O que são as chaves Pix?

As chaves Pix são endereços cadastrados em aplicativos, sites de bancos ou fintechs de crédito. Cada pessoa física pode cadastrar quatro chaves, todas terão as mesmas funcionalidades, a única diferença são os dados, podendo ser o CPF, número de celular, e-mail ou EVP (sequencia alfanumérica de 32 dígitos).

Cada chave funciona apenas para conta a qual foi criada. Você pode por exemplo ter o seu número no banco A e o seu e-mail no banco B. Caso você tenha mais de um celular, você poderá criar mais de quatro chaves Pix, mas precisa se atentar as instituições em que estão cadastradas cada chave.

Caso você use conta corrente e conta poupança no mesmo banco, precisará cadastrar uma chave para cada tipo de conta. O mesmo acontece quando o mesmo cliente é pessoa física e jurídica.

Como realizar ou receber transferências com o Pix?

Após cadastrar suas chaves, para fazer a transferência basta selecionar a opção Pix no site ou aplicativo da instituição bancária e inserir os dados da chave do destinatário, em seguida, confirme a operação.

Você também tem a opção de utilizar os QR Codes, para isto, basta ler o código com a câmera do celular para realizar a transferência. Para receber, é só apresentar o seu código para leitura.

Há limite de transações e valor?

Não há limites estabelecido pelo Banco Central, porém, cada instituição pode estabelecer um limite a ser transferido. É ideal que a consulta seja feita junto com o seu banco.

O Pix pode ser agendado?

Sim. Você pode agendar o Pix para uma data pré estabelecida escolhendo o valor, mas essa decisão também dependerá da sua instituição financeira.

Quanto o Pix custa para uma pessoa jurídica?

No caso das pessoas jurídicas, a transferência poderá ser cobrada pela instituição financeira, que poderá ter custos e o valor pode depender da instituição. Algumas fintechs já oferecem gratuidade nessa modalidade.

Alguns cuidados necessários

Como já explicamos, o Pix é um sistema instantâneo, ou seja, irreversível. É preciso ficar atento com fraudes na hora de cadastrar suas chaves e na hora de realizar uma transferência.

Cadastre seu Pix na sua instituição financeira e lembre-se de não fornecer nenhum outro dado além dos já citados. Ignore qualquer e-mail, mensagem ou código que lhe direcione para outro ambiente virtual

Segundo analistas, foram identificados ao menos 30 domínios falsos para aplicar golpes envolvendo Pix.

Para conferir mais conteúdos, acesse o nosso blog!

PIX: tudo que você precisa saber sobre o novo sistema de pagamentos do Banco Central
Tagged on: